PREJUÍZOS de BILHÕES de DOLARES, você viu?! – Youtrading

Artigos

A Youtrading disponibiliza para você uma série de artigos

PREJUÍZOS de BILHÕES de DOLARES, você viu?!

///
Comentário
/
Categories

Bom dia Pessoal!

Hoje vou escrever sobre um “lado” do mercado de capitais que é pouco divulgado nas mídias “especializada”, isto é, vou falar sobre os últimos grandes prejuízos financeiros. O objetivo central deste artigo não é o de assustar o leitor ou algo parecido e sim o de mostrar que da mesma maneira que existem lucros enormes, existem enormes prejuízos que foram capazes inclusive de quebrar brancos históricos.

Para não voltar muito no tempo, irei começar o “tour do desastre” no ano de 1995 com o famoso caso do trader Nick Leeson. Este famoso trader, foi responsável SOZINHO por quebrar o banco de investimento mais antigo da Inglaterra (naquela época), o Barings. Segundo as investigações e depois, confirmado por ele próprio, o trader inglês para “esconder” seus prejuízos utilizou-se de uma falha na estrutura do banco e jogava o prejuízo de suas operações para uma “conta erro” de número 88888, que ficou famoso no mundo inteiro. Para o leitor ter uma ideia, em 1992 a conta registrava um prejuízo de 2 milhões de libras, contudo já em 1994 o valor era superior a 208 milhões de libras, superior ao patrimônio total do banco, decretando assim o fim do banco.

Damos um pulo para 1998, quando o fundo dirigido pelos ganhadores do prêmio Nobel de 1997 (Scholes e Merlon / LTCM) quebrou. Se você já teve algum contato com instrumentos derivativos e especialmente com opções, certamente você já escutou e estudou o modelo matemático de precificação de opções, black-scholes. Este é o exemplo mais clássico do mercado de capitais, para demonstrar que ganhos passados não são garantia de ganhos futuros como também que o mercado é dinâmico e se você não se atualizar as probabilidades de acontecer um desastre para você aumentam drasticamente. Caso você desejar saber mais sobre este episódio, existem muitas bibliografias com detalhes sobre ele, mas saiba que a quebra deste fundo foi de 3,5 bilhões de dólares.

Dando um pulo de 10 anos e finalmente chegando a 2008, temos diversos casos emblemáticos e dignos de citação são eles:

  1. Janeiro de 2008 – Jerome Kerviel / Societe Generale, prejuízo de 7 bilhões de dólares;
  2. Março de 2008 – Bears Stearns – banco foi comprado pelo JP, após queimar mais de 22 bilhões de dólares;
  3. Setembro de 2008 – Quebra Lehman brothers – antes da crise, o banco tinha o valor de mercado de mais de 80 bilhões de dólares.

Outro dado para que o leitor saiba, entre 2009 e 2011 mais de 300 bancos quebraram nos Estados Unidos da América. Este número pode lhe assustar inicialmente, contudo ao se aprofundar um pouco sobre como funciona o mercado bancários dos EUA, verás que é totalmente diferente do mercado bancário brasileiro e sendo assim a concentração bancaria lá é muito inferior à nossa. A título de curiosidade, atualmente são mais de 1.500 bancos em operação naquele país e são raríssimos os bancos que possuem autorização para operarem em todo o território, isto é, existe uma enorme proteção local e regional para impedir que os MEGA BANCOS dominem todo o sistema e que haja uma enorme concentração em poucas instituições.

Para aqueles que acreditam que após a crise de 2008 não tivemos outros casos, poderia citar o banco italiano Monte dei Paschi de Siene em 2016 e alguns outros menores, mas acredito que consegui trazer ao conhecimento do leitor, neste breve artigo, um mundo de quebras e prejuízos que pouco se fala no mundo financeiro, ou talvez se prefira esquecer.

Para concluir, além de injusto seria faltar com a verdade tentar justificar a quebra e os prejuízos em uma única causa, pois cada caso tem suas peculiaridades. Entretanto existiu SIM uma característica comum em todos os casos, e ela se chama ALAVANCAGEM. Se o leitor estudar todos os casos no detalhe, identificará que em todos os casos, em um determinado momento, o banco/trader se utilizou da ALAVANCAGEM para tentar maximizar os lucros e/ou tentar recuperar prejuízos rapidamente e desproporcionalmente. A alavancagem, além de ser uma das estratégias mais antigas utilizadas, já teve sua eficiência provada milhares de vezes, contudo ela sempre deve ser utilizada com sabedoria e com proporcionalidade à seu capital, caso não for, você poderá em breve se juntar a estes e outros prejuízos, mesmo que o seu volume seja infinitamente menor, o final é o mesmo… GAME OVER.

Um abraço,

Marco R Simonetto

MTeamBRwww.mteambr.com