Análise Ibovespa: “Descolei” do mercado! – Youtrading

Artigos

A Youtrading disponibiliza para você uma série de artigos

Análise Ibovespa: “Descolei” do mercado!

///
Comentário
/
Categories

Bom dia, Pessoal!

Vamos direto ao assunto! Como sempre vamos dar um “giro” rápido pelo mundo e depois focamos em nosso índice BOVESPA.

Para o leitor que perdeu a Análise da semana passada basta CLICAR AQUI,  para ter acesso ao mesmo.

– Giro Rápido pelo Mundo

– Ásia-Pacífico: Alguns fatos macroeconômicos importantes aconteceram durante a semana passada. O primeiro que gostaria de apontar se refere aos pronunciamentos do Banco Central da Austrália, que manteve a taxa de juros da economia em 1,50% e no pronunciamento do presidente da entidade, não tivemos nenhuma novidade, frente ao que vinha se falando. Há alguns quilômetros de distância da Austrália, vimos o Banco Central da Nova Zelândia manter a taxa básica em 1,75% e em seu pronunciamento, reforçou que, devido aos números daquele país, ele e seu “board” não vem necessidade de qualquer corte na taxa no curto prazo. Enquanto a bolsa de Hong Kong acumulou, nesta semana, uma queda de -3,34%, as bolsas da Austrália e da Nova Zelândia acumularam alta de +1,24% e 1,27% respectivamente.

– Velho Continente: Com os pronunciamentos e declarações dos membros da União Europeia referentes à situação da Itália e seu desafio orçamentário, acompanhamos a moeda única desvalorizar -0,45% frente ao dólar norte-americano. Já na “terra da rainha”, na última sexta-feira, acompanhamos a divulgação do PIB mensal vindo levemente abaixo do esperado pelo mercado e novos “desafios” na questão do BreXit.

– Novo Continente: Finalmente as principais bolsas norte-americanas terminaram a semana no positivo com destaque para o índice Dow Jones 30 que fechou a semana com +2,84%. Na questão macroeconômica, vimos o FED manter a taxa de juros da maior economia do mundo no intervalo de 2 – 2,25% e “confirmando” no relatório FOMC o que venho falando nestes posts há meses.

 

 

– Pousando em nossa movimentada República

O IPCA, dado utilizado pelo governo para medir a inflação nacional, veio na última quinta-feira abaixo do esperado em 0,45% (referência outubro) acumulando uma alta no ano de 4,56%; no decorrer da semana passada acompanhamos também diversos anúncios do presidente eleito sobre seus futuros ministros e vimos que a política pode seguir impactando fortemente nosso mercado de capitais.

Após esses “giros rápidos” vamos direto aos gráficos.

– Ilustração e Opinião

Tanto o FTSE 100, um dos principais índices do Reino Unido, como o Dow Jones, um dos principais índices Norte-Americanos, fecharam o último pregão da semana no território negativo, -0,49% e -0,77% impactados principalmente pela forte queda do preço das commodities no mercado mundial, que refletem no preço das ações das empresas destes setores dentro do índice.

Vamos dar uma olhada técnica em nosso índice.

Como de praxe, a primeira imagem foi utilizada na última análise que foi divulgada, enquanto que a imagem seguinte reflete o que aconteceu nesta semana junto com os cenários.

Durante a semana passada foi possível identificar inicialmente nosso índice Ibovespa chegou a fazer uma nova máxima histórica, como eu tinha desenhado no Cenário 01 e logo após veio testar a zona de confluência de fatores do Cenário 02, ainda assim fechando acima da linha de tendência rápida de alta. Observando o movimento de nosso IBOV nesta semana, penso em dois cenários possíveis:

– Cenário 01: Os compradores, ao dominarem o IBOVESPA, conseguiram levar nosso índice nacional a novas máximas históricas indo testar a zona de suporte/resistência localizada na zona de 89.500 pontos (que há muito tempo tinha colocado no gráfico). Contudo eles não conseguiram manter o domínio do mercado e acompanhamos uma forte queda nos pregões de quinta, quarta e terça-feira. Caso os compradores retomem o controle do mercado, este fato poderia aumentar as probabilidades de vemos um novo teste na região de 87.200 pontos e superiores.

– Cenário 02: Após atingir a nova máxima histórica, os vendedores tomaram o controle do mercado fazendo com que nosso IBOV retornar-se aos níveis pré-eleições presidenciais. Apesar deste domínio, tecnicamente, os vendedores não conseguiram romper a linha de tendência de alta, apesar de terem tentado fortemente no ultimo pregão da semana. Caso os vendedores retomem o controle do nosso mercado nesta semana, este fato poderia aumentar as probabilidades de vermos um novo teste na região de 84.050 pontos (suporte intermediário) e zonas inferiores.

– Resumindo: O IBOVESPA acumulou uma queda de -3,14% nesta semana, se “descolando” do mercado norte-americano que acumulou uma alta em quase todos seus índices.

Para a semana que vem, temos na segunda-feira a divulgação do relatório FOCUS já na segunda-feira e na terça, dia 13/11, teremos o número de vendas do varejo.

Lembro que na segunda-feira, teremos feriado bancário nos EUA e no Canadá e na quinta-feira, em nosso país, teremos feriado devido a Proclamação da República.

Espero você na próxima semana!

Marco R Simonetto

MTeamBRprojetosat.mteambr.com