ALERTA VERMELHO: A Nova Crise Global – Você Precisa Saber Disso – Youtrading

Artigos

A Youtrading disponibiliza para você uma série de artigos

ALERTA VERMELHO: A Nova Crise Global – Você Precisa Saber Disso

///
Comentário
/
Categories

Olá, Investidor!

Recentemente tive a oportunidade de participar do NAC 2017, um evento que reuniu grandes experts do mundo nas áreas de Mentalidade de Riqueza, Negócios e Investimentos para ensinar a lidar com Finanças, desenvolver e aprimorar o perfil de Liderança, bem como Técnicas e Estratégias de Desenvolvimento Pessoal. Estes especialistas mostraram suas habilidades para a criação de riqueza, dos quais destaco Robert Kiyosaki, famoso autor da série de livros PAI RICO, PAI POBRE. Chris Gardner, que ficou famoso pela sua história chegar a Hollywood protagonizada por Will Smith, em À Procura da Felicidade e Sandy Jadeja, um requisitado Trader britânico com mais de 30 anos de experiência em operações nos Mercados Globais, principalmente no de Forex. Jadeja se tornou famoso por nos últimos 15 anos prever praticamente todas as CRISES que tivemos na economia e nos mais variados Mercados. Seu nível de Análise é tão respeitado que tornou-se figura carimbada de importantes canais de televisão voltados para o segmento nos EUA, Reino Unido e Ásia. Pode ser considerado como um dos “gurus” da atualidade.

Além do vasto conteúdo explanado no Congresso no âmbito de Educação Financeira, outro ponto que me chamou muito a atenção e que foi praticamente unanimidade entre estas mentes brilhantes do Mercado foi um consenso em relação a próxima CRISE GLOBAL. Ela pode estar muito próxima. Talvez nos atinja até o final de 2018 e poderá ser muito pior do que a de 2008 do “subprime” e pasmem senhoras e senhores, não será uma CRISE, será um COLAPSO.

Segundo Robert Kiyosaki, o problema se origina a décadas atrás, quando em 1971 o presidente americano Nixon acabou com o padrão ouro-dólar, encerrando com a convertibilidade direta do dólar em ouro e quebrando o sistema de Bretton Woods. Os EUA não mais honrariam o compromisso assumido em 1944 e, pela primeira vez na história, o dólar tornava-se totalmente fiduciário, ou seja, sem qualquer lastro em ouro. Mesmo aquele tênue elo com o ouro, mantido desde 1933, estava agora definitivamente cortado e o mundo voltava ao sistema fiduciário dos anos 1930, com a diferença que nem mesmo o dólar possuía agora qualquer ligação com o ouro. Essa decisão foi ratificada na reunião do Fundo Monetário Internacional, realizada na Jamaica em 1973, de modo que o ouro se tornaria doravante apenas uma mercadoria e não mais meio de pagamento. Isso levou a que o sistema monetário internacional passasse a atuar no chamado esquema das taxas flutuantes de câmbio.

A partir disso, o dinheiro foi transformado em “dinheiro de mentira”, pois seria possível “criar moeda” através das políticas monetárias, como manipulação da Taxa de Juros e programas de Relaxamento Quantitativo (Quantitative Easing), que nada mais são do que os Bancos Centrais inundarem os Mercados de dinheiro para turbinar a Economia aumentando o poder de compra e elevando a dívida pública a níveis absurdos, praticamente impagáveis.

Foi o que aconteceu na última década nos EUA, Europa e Japão. Os Mercados foram inundados com dinheiro através programas bilionários dos governos para compra de títulos e taxas de juros baixas, em alguns casos até negativa (Japão -0,10%), tudo para tirar o mundo da deflação, da paralisia econômica. O grande problema é que a dívida pública está em patamares nunca antes imagináveis. Tomou proporções que talvez nunca possam ser quitadas. O poder de compra, o dinheiro que existe em circulação hoje, é na verdade um “dinheiro de mentira”, que da noite para o dia pode perder muito seu valor, caso as políticas monetárias precisem ser novamente ajustadas para a economia continuar girando.

Um exemplo utilizado pelos palestrantes foi o Índice S&P500 (o maior Mercado do mundo) que não para de atingir recordes atrás de recordes, levando consigo Bolsas de Valores mundo afora. Um bom exemplo disso é a nossa Bovespa atingindo os maiores patamares da história enquanto atravessamos uma das piores CRISES da história. Pode não fazer muito sentido quando visto pela ótica não especulativa. A economia pode estar sustentada em cima de um castelo de areia ou como Robert ilustrou na sua apresentação, um castelo de cartas de baralho, extremamente frágil, a desmoronar a qualquer situação adversa.

Quando isso acontecer e pode não estar muito longe, o Índice S&P500 poderá cair drasticamente, muito mais do que em 2008, causando um verdadeiro COLAPSO na economia. As moedas como o dólar, a libra, o euro e o real poderão perder seu valor rapidamente.

O que fazer? Segundo as orientações do autor de PAI RICO, PAI POBRE, seria a hora de investir em Ouro, Prata e Franco Suíço. Nos metais, por serem os mais confiáveis desde que o mundo é mundo e sempre terem o seu valor reconhecido devido à escassez. Já para a moeda da Suíça, por ser um país considerado como porto-seguro financeiro e ter uma política “blindada” contra eventuais COLAPSOS.

Como Trader prevenido e humilde que sou, já me alertei para estes detalhes de opiniões de mentes muito mais experientes do que a minha e já ajustei as minhas estratégias de operação para se alinharem com este possível COLAPSO. Se acontecer, espero estar preparado para ganhar ainda mais dinheiro e não fazer parte da estatística de pessoas que novamente foram vítimas do sistema por estarem desavisadas. Fique atento e comece a pesquisar a respeito, vários e vários artigos já estão sendo publicados sobre o tema e as opiniões convergem para o mesmo ponto. Deixar para saber da notícia pelas mídias de massa pode ser arriscado e tarde demais. Ninguém cuida melhor do seu dinheiro do que você mesmo.

Bons Trades!

*Se quiser saber mais detalhes sobre o NAC 2017 acesse o link abaixo:

https://nacbrasil.com.br/

Resposta

  1. Karina Ribeiro Feliz

    Boa tarde Rodrigo. E no caso de pessoas assalariadas com poucas oportunidades de investir, o que você recomendaria que fizessem para passar por um momento como esse?

    1. Rodrigo Rebecchi

      Olá, Karina! Boa tarde! Hoje em dia as possibilidades de investimento estão mais acessíveis mesmo para quem possui uma renda mensal mais reduzida e isso não deve ser jamais motivo de desânimo para não aprender sobre Educação Financeira e Operações. Não importa o quanto você ganha, mas sim, o quanto economiza e investe. Eu te aconselharia a buscar formação na área e começar poupando e investindo no mínimo 10% do seu salário em renda fixa até obter um conhecimento suficiente para poder partir para a renda variável, com maiores possibilidades de ganho. Tanto para se operar aqui dentro do Brasil como no exterior, os custos estão reduzidos e com uma conta pequena, por volta de R$ 1.000,00 ou U$ 1.000,00 já pode ser possível começar. Como dica, siga acompanhando o portal da Youtrading de tem um conteúdo excelente e gratuito para a formação de traders, vale muito a pena e não custa nada. Espero ter ajudado. Sucesso!